quarta-feira , 13 dezembro 2017

Ecstasy

O que é?

O Ecstasy é uma droga sintética, ou seja, é feito em laboratórios e não a partir de uma substância natural, também conhecido como: bala, pastilha e stacy.

O princípio ativo é o MDMA (metilenodioximetanfetamina), presente em pouca quantidade nos comprimidos de ecstasy, em que são misturadas outras substâncias como aspirina, cafeína ou drogas do tipo ácido-LSD.

Quando se tornou ilegal?

Em 1985, 63 anos depois de sua invenção. O ecstasy foi criado meio sem querer. Um farmacêutico queria achar um moderador de apetite e chegou ao MDMA. Só que ele percebeu que o remédio tinha muitos efeitos colaterais e arquivou a descoberta.

50 anos depois, um outro cientista retomou as pesquisas com MDMA porque queria descobrir um remédio para aumentar a libido.

Criou o ecstasy e o apelidou de “droga do amor”.

Tomando Ecstasy

Geralmente é consumido via oral, podendo ser também injetado ou inalado. Podem apresentar forma de barras, cápsulas ou pó, mas a forma mais comum são os comprimidos, que podem ter vários tamanhos, cores e formatos. Esta diversidade também é aplicada em sua composição, por isso, muitas vezes os consumidores não sabem o que exatamente estão tomando. Os primeiros efeitos surgem depois de menos que uma hora e pode durar até seis horas.

Altos e baixos

Quando se toma ecstasy, durante as primeiras horas, é predominante a sensação de relaxamento. Ele pode provocar também uma sensação de energia, despreocupação, autoconfiança e intimidade.

Além disso, a percepção de sensualidade aumenta extremamente, fazendo com que você tenha vontade de contato físico e sexual com quem estiver perto de você, por isso é conhecido como “droga do amor”. Os sons e luzes tornam-se evidentes, essa é uma das razões por a droga ser popular entre os baladeiros.

Fisicamente a mandíbula pode travar, contraindo os músculos da boca. Assim, seus dentes podem ranger, sua pressão sanguínea pode aumentar, sua boca pode secar e as pupilas podem ficar dilatadas. Além disso, há uma dificuldade em caminhar, os reflexos podem ficar inibidos, podendo haver também tremores, transpiração excessiva, cãibras e dores musculares.

A droga pode elevar a temperatura do seu corpo para níveis perigosos, ficando pior em danceterias quentes quando se está também dançando. Dias depois de tomar bala, grande parte dos usuários se sentem deprimidos ou irritados.

Muitas pessoas morrem devido o uso de ecstasy, geralmente por superaquecimento, falha do coração ou por beber muita ou pouca água. A maioria misturou a droga com outras substâncias. Uma pesquisa feita no Reino Unido revelou que, só entre 1999 e 2004, mais de 250 pessoas morreram depois de tomar bala.

Sexo com Ecstasy

Ecstasy pode deixar a pessoa com ainda mais tesão e com um uma incrível sensibilidade ao toque. Contudo, a droga pode dificultar as ereções e ejaculações. Diminuídas as inibições, as chances de contrair ou passar doenças são ainda maiores.

Um relacionamento de longo prazo?

O consumo de ecstasy pode provocar cansaço, esgotamento, sonolência, ansiedade, ataques de pânico, psicose, dificuldade de concentração e irritações. Tolerância à bala pode surgir logo, sendo necessário mais da droga para se conseguir a mesma “viagem”. Algumas pessoas passam a depender da droga e não conseguem se imaginar dançando e curtindo sem ela.

Como a droga é comum nas baladas, a atividade física intensa e as várias horas dançando acarretam desidratação e o aumento da temperatura corporal (alguns usuários já chegaram a atingir 42º C), podendo ocorrer hemorragia interna. A desidratação tem sido causa de várias mortes em festas raves e outras.

Vale lembrar que esta droga é frequentemente falsificada. Substâncias como as anfetaminas, a ketamina, o PCP, a cafeína ou medicamentos são vendidos com o nome de ecstasy.

Ecstasy com outras drogas

Álcool – ambos desidratam o corpo, sobrecarregam fígado e rins e elevam a temperatura corporal. As mortes devido o uso de ecstasy, geralmente estão relacionadas ao uso de álcool.

Anti-depressivos – tomar bala enquanto está se tratando com antidepressivos pode causar a ‘síndrome da serotonina’, uma reação perigosa com sintomas de agitação, perda de sono, suor, coração batendo rápido e espasmos musculares. Socorro médico urgente é necessário.

Anfetaminas – estas drogas estimulantes tomadas junto ao ecstasy, colocam o coração em um nível perigoso de stress, levando ao risco de ataque cardíaco ou derrame. Existe ainda o perigo da ‘síndrome da serotonina’.

Remédios tipo Viagra – assim como stress extra no coração, há casos desta combinação gerar uma ereção que não passa, podendo gerar danos irreversíveis ao corpo do homem.

É bom saber

Você pode evitar o superaquecimento e a desidratação bebendo água, mas é importante lembrar que a ingestão excessiva de água pode também ser perigosa, inclusive, pessoas já morreram devido à ingestão excessiva de água.

Segundo especialistas, o que ocorre é o seguinte: normalmente nosso corpo elimina água urinando. Só que, por causa do ecstasy, o rim começa a mandar água de volta para a circulação, e não para a bexiga.

Aquela quantidade de água acaba diluindo os sais do sangue que, mais ralo, entra nos órgãos, inclusive no cérebro, e leva à morte. Isso não significa que o melhor é não beber líquido, o ideal é beber algo com sais minerais.

Em pessoas que apresentam histórico de depressão ou problema mental, pressão alta, problema no coração, fígado ou rim, a droga pode agravar os problemas.

Sobre admin

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Required fields are marked *

*